A legenda e a acessibilidade

É inquestionável a importância de prover às pessoas com deficiência física, visual e/ou auditiva acessibilidade à cultura, à educação e também ao entretenimento audiovisual. Com relação a este último, saiba que a legendagem é uma ferramenta importantíssima de inclusão, pois ela possibilita que pessoas com baixa ou simplesmente nenhuma audição se divirtam com filmes, séries, desenhos, shows ou se atualizem com telejornais, programas educativos, entrevistas e outras produções televisivas e cinematográficas.

Neste artigo, falaremos sobre a legenda LSE, Closed Caption e legenda oculta. Qual é a diferença entre elas?

 

LEGENDA OCULTA

Nada mais é do que a legenda que não aparece automaticamente na tela a não ser que você a selecione por meio do controle remoto da sua televisão. Ela tanto pode ser uma legenda normal, em português ou em outro idioma que estiver disponível, como uma legenda LSE (para surdos e/ou ensurdecidos) ou Closed Caption (CC).

 

CLOSED CAPTION

No Brasil, Closed Caption tem uma padronização diferenciada de outras legendas. A escrita é em maiúscula e a segmentação pode ser diferente da legenda a qual estamos acostumados a ver, inclusive a legenda LSE. No exemplo abaixo, há três linhas em vez de duas e um sinal específico (>>) inserido no início, o que não ocorre em uma legenda normal. Outro detalhe importante é que em Closed Caption geralmente é utilizada fonte branca e a legenda é exibida sobre um fundo preto.

 

Como ela é realizada? Basicamente, o Closed Caption pode ser feito por:

1.Digitação

Pelo estenótipo (foto abaixo). Esse equipamento é operado por um estenotipista. No caso de produções ao vivo, o profissional assisti ao programa e digita o que ele ouve no vídeo em tempo real. Quando a produção é gravada, o estenotipista faz o mesmo processo de digitação das falas, no entanto, é mais fácil a revisão posterior, haja vista o tempo disponível para validá-la antes de ir ao ar.

 

2.Gravação

Esse processo pode ocorrer tanto em produções ao vivo como em produções gravadas. O profissional ouve as falas dos personagens, as repete utilizando um software de reconhecimento de voz e o texto aparece na tela. O estenótipo também pode ser conectado a um computador com um programa instalado que possibilite a correção ortográfica. Tudo é informatizado.

 

 

O Close Caption pode ser utilizado em ambientes com muito ruído externo como em aeroportos, metrôs, restaurantes… ou em ambientes em que deve prevalecer o silêncio: hospitais, consultórios médicos, bibliotecas, etc.

 

LEGENDA LSE

LSE significa legenda para surdos e ensurdecidos. Em inglês, denomina-se Subtitle SDH (Subtitle for Deaf and Hard of Hearing).

 

A legenda LSE ou legenda para surdos e ensurdecidos tem o objetivo de:

– identificar os personagens, seja pelo nome, gênero, tipo de voz ou até mesmo pela funcionalidade no vídeo. Exemplos:

[voz feminina], [Lucas], [narrador], [menina], [gato], etc.

 

– descrever os sons do ambiente, natureza, instrumentais, barulhos e outros sons que apareçam no vídeo. Exemplos:

[barulho de freada], [o gato mia], [o bebê chora], [som de guitarra], etc.

 

– descrever idiomas estrangeiros nos diálogos. Exemplo que algumas empresas adotam: 

[fala em alemão]  =  para informar ao telespectador que o idioma que está sendo falado na cena é o alemão, divergente do idioma do filme, por exemplo, o inglês.

 

A legenda LSE também respeita a mesma configuração de uma legenda normal em relação à segmentação, número de caracteres, número de linhas e a outros padrões normais de legendagem. Entretanto, ela aparece entre colchetes [ ].

 

Exemplos de legenda LSE

Aqui, utilizamos a palavra “menina” supondo que o seu nome ainda não tenha sido mencionado. Observe que na segunda legenda, aparece o nome Lucas considerando que o menino já tenha sido identificado em algum momento anterior do filme. Note também que há inserção do hífen em ambas as falas, assim como em uma legenda normal.

 

Nessa representação de um concerto, ressaltamos o momento em que é ouvido apenas o som dos violinos. Mas observe estas duas outras imagens:

 

Suponhamos que ambas as imagens tivessem sido capturadas de um vídeo clipe musical. Na imagem da esquerda, aparece somente o símbolo musical, o que significa que uma música está sendo tocada e/ou cantada, ao vivo ou gravada. Na imagem da direita, incluímos a descrição “instrumentos musicais” supondo que nesse momento seja possível ouvir somente a sonoridade, sem a voz do cantor. No entanto, se houver a imagem de quem está cantando, podemos incluir a sua descrição e, se couber, até mesmo o nome da música. Exemplos:

[Paula Toller canta “Como eu quero”], [Paula Toller canta], [Cantora canta], etc.

 

Nota: perceba que todas as legendas LSE são escritas em fonte normal, sem itálico.

 

Esse foi só um couvert de um cardápio extenso sobre legendas e a sua importância na inclusão de pessoas com deficiência auditiva, que precisam desse recurso para ter acessibilidade às produções audiovisuais.

Por Ligia Ribeiro

 

Gostaria de ler seu comentário sobre o post.