Crie você mesmo seu próprio site

Este post, além de ser um relato pessoal sobre como consegui criar meu blog sem a necessidade de contratar um web designer, também contém dicas e informações para quem, como eu, sente prazer em se aventurar pelo universo do conhecimento e, posteriormente, aplicar o aprendizado da melhor maneira possível.

Quem já conhecia o blog “Guardiões da Tradução”, que hoje está encerrado, me perguntaria por que essa mudança? Bem, a vida é sempre um recomeço. Precisamos nos renovar, buscar informação, aprender e crescer.

Portanto, deixe-me tomar um pouquinho do seu tempo e contar sobre o motivo que me levou a arregaçar as mangas e criar esses dois sites. Na época em que trabalhava como assistente executiva, eu já escrevia artigos direcionados à área específica, mas como não havia um local próprio para divulgá-los, optei por inclui-los em sites de terceiros como o “Administradores” e o “Recanto das Letras”, além do próprio Linkedin.

Agora que atuando como tradutora, resolvi voltar a escrever e decidi que precisava de um espaço privado para poder publicar meus artigos. Foi aí que veio a ideia de criar um blog que, a princípio, não tinha pretensões de concorrer ao melhor do ano, mas que serviria como um veículo de divulgação. Porém, o que era para ser despretensioso tornou-se algo mensurável e percebi que precisava de uma repaginação. Decidi então, criar outro blog com um novo nome.

A primeira etapa foi escolher esse nome. Apesar de gostar do termo anterior “Guardiões da Tradução”, que simbolizava o respeito, o carinho e a proteção dessa minha nova atividade como tradutora, achei que era hora de mostrar outra vertente, que também procuro seguir.

O blog “Arca do Saber” veio para ressaltar o quão importante é a busca pelo conhecimento e a sabedoria em utilizá-lo em prol de um bem maior. E como acredito que o conhecimento deve ser passado adiante, darei a seguir algumas dicas e orientações para quem deseja criar seu próprio site ou blog.

Primeiro passo – domínio e hospedagem

Registrando um domínio, você cria sua própria identidade no ambiente virtual. É como se fosse um RG, uma forma de garantir que sua marca seja registrada e evitar que ela seja usada de má fé por outras pessoas.

Você pode registrar um domínio como pessoa física ou jurídica, profissional liberal e outros. Há algumas maneiras de registrá-lo, como por exemplo: diretamente pelo Registro.br, de abrangência nacional, ou por meio de terceiros como o GoDaddy, Hostgator, Uol Host e outros, que também podem viabilizá-lo internacionalmente como “.com”.

Eu preferi ir direto à fonte (Registro.br) e registrar o domínio do meu site por lá, mas você pode optar por outros canais e realizar o registro e também a hospedagem (abordarei isso a seguir), conseguindo até bons descontos.

NOTA: Explico que não é necessário pagar o domínio ou a hospedagem para a criação de um site. O próprio Wix.com, WordPress.com, o WordPress.com e vários outros disponibilizam a opção de criar um site ou blog gratuitos, já com o domínio e hospedagem próprios. Mas, se você buscar personalização e viabilidade do uso de plugins e outras ferramentas adicionais, o interessante é fazê-lo de forma paga.

Falando sobre a hospedagem, após algumas pesquisas na internet, optei por duas empresas: Hostgator e GoDaddy. Acessei o site da primeira e segui os procedimentos para sua contratação, mas houve um erro com relação à senha que havia cadastrado e precisei contatar a central de atendimento. Foi aí que me decepcionei. Eles não têm um telefone de contato direto (pelo menos, não consegui visualizar essa informação no site), apenas por e-mail ou chat online, os quais tentei acessar, mas foi em vão. Tanto no suporte técnico como no financeiro era preciso informar meu e-mail e senha, mas não conseguia fazer isso em virtude de o problema ser justamente com minha senha. Enviei um e-mail solicitando ajuda, mas nenhum retorno. Após dois dias, resolvi desistir e enviei uma mensagem cancelando a solicitação de atendimento e informando que havia optado por outra empresa. Foi aí que recebi uma mensagem deles pedindo desculpas, mas já era tarde, havia mudado para o GoDaddy.

Com o GoDaddy, o processo foi extremamente fácil. Escolhi o tipo de hospedagem, fiz meu plano por meio de cartão de crédito e imediatamente já comecei a utilizá-lo. Há várias formas de contato, seja por e-mail, por chat ou por telefone. Estou muito satisfeita. Até agora, não tive problemas.

Mas você me perguntaria por que é necessária a contratação de uma hospedagem. O domínio é o registro do nome do seu site, mas a hospedagem é onde você irá armazená-lo. É como se ele ficasse guardado e disponível para você incluir textos, imagens, vídeos e demais conteúdos quando desejasse.

Aplicativo gerenciador de conteúdo

Até aqui você já viu os dois primeiros passos para a publicação do seu site: domínio e hospedagem. Agora, vamos ver o local em que você irá divulgá-lo.

No meu caso, fiz algumas experiências com o Wix.com, Medium.com, o WordPress.com e o WordPress.org. Veja meu parecer sobre eles:

1.Wix.com

Tenho um site que está sendo desenvolvido no Wix.com para meu projeto de TCC. Ele é muito fácil de utilizar e não há necessidade de cursos específicos para entender sua operacionalidade, já que é bem simples. Você consegue arrastar quase tudo para dentro do campo em que está trabalhando, as configurações são descomplicadas, há vários layouts com diversas opções de cores, fotos, etc. Gostei muito. É uma boa opção. Recomendo.

2.Medium

Tenho um perfil nesse aplicativo, mas o achei um pouco limitado. É simples e bom para a inclusão de artigos, mas o considerei um pouco “tímido” em relação aos outros, para o que queria realizar. Por isso, o deixei em terceiro plano. Mas tem sido muito bem visto e aceito na comunidade virtual. Vale a pena testar.

3.Wordpress.org ou WordPress.com

Esse foi um mix de tortura, desafio, complexidade, alegria e satisfação. Não entendeu? Pois é, nem eu, a princípio. Parecia que estava em uma montanha russa, subindo aos poucos, assimilando as informações e, de repente, caindo no vazio e tendo que recomeçar. Foi preciso buscar um curso no canal do Youtube para que eu pudesse chegar à reta final.

O primeiro site que criei pelo WordPress.com foi o “Guardiões da Tradução”, que agora está desativado. O WordPress.com é totalmente hospedado pela própria plataforma. Como eu tinha um plano gratuito, as opções eram limitadas. Por isso, desenvolvi um blog bem simples. Um belo dia tentei fazer uma alteração no tema… danou-se! Foi uma loucura! Não encontrava mais nada; uma categoria do menu havia sumido e nunca mais a achei. Como minha intenção era criar outro site, não me preocupei em tentar encontrá-la no setor de achados e perdidos. (rs)

Então, por que voltei a usar o WordPress para meu novo site? Porque sou persistente. Não sou uma pessoa que desisti facilmente diante de uma dificuldade. Se não estava conseguindo usar a plataforma, teria que buscar instrução. Foi o que fiz. Vasculhando o Youtube encontrei o “Curso Completo de WordPress 2017”, de Leandro Biffi, inteiramente gratuito, com diversas aulas explicativas. Foi aí que, lentamente, fui entendendo como usar a plataforma para a criação do meu site. Foram dois dias de dedicação total a esse projeto.

A criação do site

Meu site é um site-blog, embora tenha preferido deixá-lo apenas como blog para a divulgação dos meus artigos. Se quiser, posso incluir informações sobre portfólio, serviços, enfim, um site com foco comercial.

Para quem tem condições financeiras e quer evitar problemas decorrentes da possível dificuldade em desenvolver um site, o melhor mesmo é contratar um web designer. Mas optei pela não contratação de um profissional porque queria aprender como criar um site e, ao mesmo tempo, sentir o prazer da vitória em conseguir realizar esse objetivo, por mim mesma. Por que haveria de perder a chance de aprender a criar um menu, uma página e uma categoria, usar os widgets, adicionar plugins, configurar a identidade do site, as cores, as imagens e os conteúdos de cabeçalhos e rodapés, a página inicial e muito mais?

Não posso dizer que foi fácil, mas hoje já consigo compreender as ferramentas, as configurações e entender o que um web designer desenvolveria ou alteraria no meu site, caso fosse contratá-lo.

Assim como o mote do meu blog “Arca do Saber”, sigo buscando conhecimento e sabedoria. O que aprendi usarei no próximo e assim por diante. O aprendizado é imensurável e pessoal. É algo que você carregará consigo e poderá utilizá-lo hoje ou no futuro. Espero que este post lhe seja útil, e termino com a frase:

“A satisfação está no esforço e não apenas na realização final”. (Mahatma Gandhi)

Por Ligia Ribeiro

2 thoughts to “Crie você mesmo seu próprio site”

    1. Olá, Leandro. Tudo bem?
      Obrigada. Eu aproveito para lhe agradecer. Devo confessar que me sentia completamente perdida ao usar o WordPress, e só consegui concluir o site por causa dos seus vídeos. É tudo tão bem explicado, que hoje entendo muita coisa que antes era um bicho de sete cabeças.
      Parabéns pela sua iniciativa de divulgar esses vídeos. Até o fim do ano, se tudo der certo, irei fazer outro site mais elaborado.
      Obrigada.
      Um grande abraço.
      Ligia

Gostaria de ler seu comentário sobre o post.