Gramática: Pontuação em diálogos com verbos dicendi

Dentre os projetos do meu TCC, havia a tradução de um texto literário com vários diálogos entre os personagens. Como tive algumas dúvidas quanto à pontuação utilizada nas falas, que posteriormente foram sanadas no meu curso de pós-graduação, resolvi compartilhar o que aprendi com você.

 

Primeiro, falaremos dos verbos dicendi.

 

– Hã? Nunca ouvi falar disso – você indagaria (ou mencionaria, replicaria…)

– Não se preocupe, explicarei a seguir – eu responderia (ou retrucaria, ressaltaria…)

 

Percebeu os verbos que usei? São verbos dicendi, usados pelo narrador para introduzir a fala dos personagens. Na construção de diálogos, é muito comum usar sempre os mesmos verbos, como por exemplo: “dizer”e “perguntar”. Porém, há outras opções mais interessantes e adequadas que podem ser utilizadas para enriquecer o seu texto. Veja alguns exemplos no diálogo abaixo:

 

– Acabei de enviar o teste à agência – comentou Leo. (ou comunicou, anunciou, afirmou…)

 

– E eu com isso? – contestou o irmão Tiago. (ou replicou, reclamou…)

 

– Você é meu irmão. Não posso comentar nada com você? – esbravejou.  – Estou preocupado, cara! – confessou Leo. (ou indagou, bradou, retorquiu, inquiriu, irritou-se, exaltou-se… / ou vociferou, gritou, bradou…)

 

– Se você traduziu corretamente, se fez a revisão e enviou o material dentro do prazo, agora é só aguardar um retorno – afirmou o irmão. – Eles entrarão em contato com você. Relaxa, bro! (ou assentiu, asseverou…)

 

– Tem razão – concluiu. – Bora tomar uma! – propôs Leo, bem mais calmo. (ou retrucou, reagiu… / ou sugeriu, convidou…)

 

Em cada uma das frases acima é possível usar verbos que se encaixem no contexto e que evidenciem o tom que o autor quer dar àquela fala. Os exemplos que citei são só algumas opções viáveis para a tradução, em português brasileiro, dos verbos em inglês “said” e “asked”. Há muitas outras que também podem ser utilizadas, evitando que você sempre os traduza como: “disse” e “perguntou”.

 

Ainda citando o referido diálogo, você observou a pontuação? Notou que após algumas falas pode ou não haver pontuação? Como diferenciá-las? Veja abaixo algumas explicações:

 

Aspas ou travessão

 

No idioma inglês é comum os diálogos serem pontuados com aspas. Por exemplo:

 

“Have you bought a new car?” asked the neighbor.

 

No idioma português brasileiro o mais frequente é o uso do travessão. Menciono como mais frequente porque há literários que preferem o uso das aspas. Portanto, a tradução da frase acima poderia ser:

 

– Você comprou um carro novo? – sondou o vizinho.

 

Ainda falando sobre o uso do travessão, observe as frases abaixo referentes ao primeiro diálogo entre os irmãos Leo e Thiago:

 

– Você é meu irmão. Não posso comentar nada com você? – esbravejou.  – Estou preocupado, cara! – confessou Leo.

 

Por que tantos travessões? A princípio, parece complicado, mas é muito simples se pensarmos que:

 

a) ele aparece no início da fala de cada personagem, assim como na fala do narrador:

– Você é meu irmão. Não posso comentar nada com você? – esbravejou.  (verbo dicendi,  fala do narrador).

 

b) reaparece no caso de nova fala do personagem e do narrador:

– Estou preocupado, cara! – confessou Leo. (verbo dicendi,  fala do narrador).

 

O travessão foi usado na primeira frase para abrir a fala do Leo, questionando o irmão, e para a narrativa de quem está contando a história (esbravejou). Logo a seguir, o travessão reaparece porque tanto Leo como o narrador falaram novamente.

 

Ponto final

 

Veja os exemplos abaixo:

 

– O relatório tem que ser entregue antes da reunião – afirmou o gerente.

 

– Aqui está o meu. – O funcionário recém-admitido colocou a pasta com o relatório em cima da mesa e saiu triunfante.

 

Note que no primeiro exemplo não há ponto final após a palavra “reunião” porque há continuidade da frase por meio do verbo dicendi “afirmou”. E, nesse caso, ele é grafado sempre com letra minúscula. Já no segundo exemplo, observe que foi colocado um ponto final após a palavra “meu” e que a frase seguinte começa com maiúscula. Isso ocorre porque são duas ações distintas. Veja que não há verbo dicendi.

 

Ponto de exclamação, interrogação e reticências

 

– E eu com isso? – contestou o irmão Tiago.

 

– Estou preocupado, cara! – confessou Leo.

 

Note que nas duas frases acima, após a fala dos personagens, há a inclusão dos pontos de interrogação e de exclamação. Em seguida, outro travessão para abrir a narrativa, que é feita por meio de verbo dicendi, escrito em minúscula.

 

Em um diálogo, por estar dentro das normas da língua portuguesa brasileira e também por uma questão de estilo, é comum o uso de reticências ou a multiplicação do ponto de interrogação e de exclamação, ou até mesmo a colocação de ambos na mesma fala. Veja os exemplos a seguir:

 

– Este presente é pra mim?!  – a menina, surpresa, gritou quando viu que a tia lhe dera a boneca que tanto desejara.

 

– O que faremos agora?… Você quebrou o vazo preferido da mamãe – estremeceu Robson, ao ver o vazo espatifado no chão da sala.

 

Vírgula

 

A vírgula pode ser incluída após o travessão. Veja o exemplo abaixo:

 

– Estava pensando em ir à festa – comentou Alice –, mas ainda não sei se devo ir.

 

Observe que o narrador “entrou” no meio da fala da personagem Alice. Se você retirar a narração “comentou Alice”, verá que há continuidade da fala principal: “Estava pensando em ir à festa, mas ainda estou em dúvida”.

 

Travessão usado como vírgula

 

Parece estranho, no entanto, podemos usar o travessão para substituir a vírgula. Veja este exemplo:

 

– O ladrão negou – embora ninguém acreditasse – que havia atirado no vigia do banco.

 

Perceba que o travessão entra na frase substituindo o aposto “embora ninguém acreditasse”, que normalmente viria entre vírgulas: “O ladrão negou, embora ninguém acreditasse, que havia atirado no vigia do banco”.

 

Acredito que tenha ficado mais fácil de entender a pontuação utilizada em diálogos. Em um próximo post, falarei sobre o uso da vírgula. Até lá!

6 comentários em “Gramática: Pontuação em diálogos com verbos dicendi

  1. Oi, Ligia. Esse texto veio bem a calhar. Eu acabei de concluir um exercício de tradução envolvendo um diálogo. Só que eu não atentei que poderia ter usado o travessão e outros verbos dicendi. Fica a lição pra próxima! E boa sorte no teu TCC.

    1. Oi, Renata.
      Que bom que gostou. Eu o escrevi justamente porque tive que usar diálogos em outros em um dos projetos do TCC. Então, achei que poderia ser útil a outros tradutores.
      Obrigada. Depois eu conto o resultado do teste.
      Um abraço.

  2. Muito bem lembrado o tema da pontuação e dos verbos dicendi na tradução de textos. Eles ajudam a fazer a leitura do texto traduzido mais fluida, natural. Obrigada pelo belo texto e sucesso no teu TCC.

    1. Olá, Mônica.
      Obrigada. Eu nem sabia que esses verbos eram conhecidos como “dicendi”. Achei que outros colegas poderiam ter a mesma dúvida que eu, por isso escrevi o artigo.
      Que bom que gostou.
      Um abraço.

Gostaria de ler seu comentário sobre o post.