Visitando um estúdio de dublagem

visita estúdio de dublagem

Queria ter escrito este post há muito tempo, mas antes tarde do que nunca, não é mesmo?

No segundo semestre de 2016, fiz um curso de tradução para dublagem e comecei a realizar projetos nessa área. Alguns deles para esse estúdio, cuja visita detalho a seguir.

Trabalhar com tradução para dublagem foi uma de minhas escolhas mais acertadas. Sinto prazer ao traduzir um script de uma série ou de um filme, ou de algum projeto ligado à dublagem.  O trabalho requer estudo, pesquisa, sugestões de vozerio, marcações de overlapping, entradas e trocas de cenas, letreiros ou placas (termos usados no RJ e em SP), ajustes de falas de acordo com sincronismos, inclusão de termos e expressões coloquiais referentes ao período em que a história está sendo contada e adaptações para dar mais fluidez ao texto. É um processo trabalhoso e com muitos detalhes, que merecia ser mais valorizado no aspecto social-financeiro.

Apesar de já estar atuando na área, resolvi seguir conselhos de colegas tradutores e visitei um estúdio de dublagem. Se você tem interesse em ser tradutor para dublagem, visite um estúdio e observe como o processo de dublagem é realizado.  Tudo o que você aprendeu em algum curso ou leu em um livro terá mais amplitude quando vir o que acontece com sua tradução depois que o diretor de dublagem e os atores a recebem.

Você me perguntará: “O que devo fazer para visitar um estúdio? ” Se você tem realmente interesse em atuar na área, entre em contato com eles e explique o motivo de sua visita. Foi o que fiz. Enviei um e-mail ao diretor do estúdio para o qual já havia realizado alguns projetos, me apresentei e mencionei na mensagem que gostaria muito de fazer uma visita para entender melhor o processo de dublagem e, dessa forma, aperfeiçoar meu trabalho.  Depois de alguns dias recebi o retorno positivo e a data foi agendada.

Simples assim? Simples assim. Lembre-se de que eles também têm interesse que você, tradutor para dublagem, se familiarize com o processo de dublagem para que seus projetos de tradução se tornem os mais adequados possíveis às necessidades dos clientes.

Antes de prosseguir, gostaria de explicar que iniciei meu trabalho na tradução para dublagem porque sempre gostei de filmes, séries, desenhos, e costumo ver muitos deles dublados. Acho nossa dublagem uma das melhores do mundo. Diariamente assisto à série Hawaii 5.0 dublada. Excelente dublagem, maravilhosa tradução. Parabéns aos atores e aos tradutores que estão por trás desse trabalho. Como a nossa dublagem é rica e muito bem feita! Devíamos nos orgulhar disso, afinal é produto nosso, puramente brasileiro.

Mas voltando à visita, no início deste ano estive um estúdio localizado em São Paulo. Fui bem recebida, assim que cheguei. Na recepção havia alguns atores esperando a hora de gravar seus personagens. Que frenesi ao ver que ali estavam os responsáveis pela dublagem dos personagens da série que eu estava traduzindo. O diretor da agência chegaria um pouco mais tarde, por isso falei diretamente com o diretor de dublagem daquela série.

Fui direto à sala de gravação onde havia duas cabines: uma onde o diretor de dublagem estava e outra, hermeticamente fechada (rs), onde a atriz gravava um episódio. Do meu lugar não conseguia vê-la diretamente, mas foi inegável a surpresa ao ouvi-la interpretando as reações e falas da personagem, indo do riso ao choro em frações de segundos. Não sei se você sabe, mas os atores recebem o texto na hora de gravar e têm pouquíssimo tempo para repassar a fala (isso pode variar de estúdio a estúdio) e, logo em seguida, já começam a dublar. É muito diferente de uma novela ou teatro, onde há tempo para decorar scripts e até levá-los para casa. Ali é tudo na hora, mesmo.

Se as pessoas que não dão valor à dublagem pudessem ver como esse trabalho é realizado, talvez mudassem de opinião. A começar pelo tradutor, que tem que dar ao texto a fluidez necessária para que o ator ou atriz, ao lê-lo, consiga passar o tom, a fala e a emoção apropriada a um determinado personagem. É um trabalho que exige atenção, dedicação, estudo, pesquisa, empenho e amor.

Voltando à gravação, o diretor foi me explicando alguns detalhes; alguns já havia aprendido no curso. Foi como se estivesse realizando um estágio, mesmo que de curtíssima duração. (Que pena!) Fizemos um intervalo e, enquanto tomávamos café, fui extraindo o que podia. A ansiedade era grande para assimilar todas as explicações e colocar tudo o que estava aprendendo em prática no próximo trabalho. Isso vem me ajudando muito nos meus projetos de tradução para dublagem.

Voltamos à sala de gravação. Tive muita sorte em poder ver uma atriz, com experiência em dublagem e que já havia gravado falas da personagem em episódios anteriores, e um ator em seu primeiro trabalho de dublagem. E o que mais me impressionou, além da sua voz, que deu um tom especial ao personagem, foi sua habilidade de interpretação, já que aquela era a primeira vez que ele estava interpretando o personagem na série.

Por isso é necessário que o dublador tenha formação de ator. Como mencionei acima, não há tempo para o dublador “bater texto” com outro colega. E mais, eles trabalham isoladamente. Um dublador entra no estúdio e grava as falas do seu personagem. Aí é a vez de outro ator fazer o mesmo. Não há mais o processo coletivo. Cada um grava separadamente.

Passei horas como se estivesse assistindo a uma peça de teatro e escrita por mim (R – RISO). Dizem que o tradutor, às vezes, se apropria do texto. É verdade. Tudo o que escrevi, com pequenos ajustes necessários por conta de um sincronismo ou de uma melhor colocação de um termo, era interpretado pelos atores.

Você, que já é tradutor para dublagem, não deixe de realizar uma visita a um estúdio. A confiança que tive ao sair dali foi o impulso de que precisava para melhorar cada vez mais minha tradução. E ver meu trabalho sendo elogiado só me dá coragem de continuar investindo mais nessa área.

A dublagem brasileira tem uma responsabilidade social imensa. Pense nas pessoas com limitações visuais, pense naqueles que, pela idade avançada ou pela ausência de estudo, não conseguem ler as legendas dos vídeos. Todos merecem ter o mesmo privilégio de assistir a filmes, desenhos, documentários, séries, etc… E o tradutor, mesmo que o nome não apareça nos créditos, sabe da importância do seu papel nesse processo.

Por Ligia Ribeiro

2 thoughts to “Visitando um estúdio de dublagem”

Gostaria de ler seu comentário sobre o post.